A cidade

liotru_symbol_of_the_city

Catania – A cidade

“Catania é a cidade mais efervescente, moderna, com olhos para o futuro, irmã da mais tradicional Palermo. Suas construções de pedra são espetaculares em contraste com o céu azul, suas praças e ruas são amplas e atrativas, e quando chega a noite, se enchem de estudantes que tem grandes momentos nos milhares de bares e clubes” – Lonely Planet Sicily Guide.

Catania é a segunda maior e importante cidade da Sicila, superada somente por Palermo. No ano de 2002, a UNESCO declaro Catania como patrimônio histórico da humanidade e atualmente muitos de seus monumentos estão sendo reestruturados para levá-los á seu antigo esplendor.

Estende-se aos pés do vulcão Etna e está representada pelo símbolo de um Elefante anão que no passado formava parte da fauna da ilha e do qual hoje se pode admirar a estátua, a “Fonte do Elefante”, é uma das praças mais famosas da cidade. Sua posição geográfica em um dos cantos mais atrativos do mundo lhe permite aproveitar de um clima temperado e de um mar cristalino, favorecendo a vida fora e oferecendo um ritmo de vida tranquilo, agradável, e bastante estimulante.

A história

Após as invasões bárbaras Bizâncio que dominaram a cidade, antes de podermos confirmar com traços físicos nesse período. Posteriormente os árabes fomentaram o desenvolvimento de novas técnicas agrícolas e cultivos exportados da Sicilia, transformando Catania em um grande centro econômico, e na ilha sobre a qual Emir de Catania concentrará seu poder político.
Catania é uma das cidades mais pitorescas da Itália e oferece uma grande variedade de monumentos e atrações interessantes para visitar. Catania tem sido uma cidade grega, romana, bizantina, árabe, normanda, borbônica, sueca, angergelina, aragonesa, espanhola e é claro italiana : porém sua história é uma amalgama de todas as civilizações que desejaram uma marca profunda na Sicília. È a sede da primeira universidade da Sicília, fundada em 1434 por Afonso V de Aragón.

Catania para visitar

As igreja mais importantes:

A Catedral de Catania e a Capela de Santa Ágata

A Catedral de Catania está localizada no centro da cidade, na Piazza Del Duomo. Destaca-se como uma autêntica jóia do barroco italiano, rica em ornamentos e harmonia estética. Esta consagrada pela veneração de Santa Ágata, a jovem virgem que segundo a tradição cristã foi submetida a grandes sacrifícios pelo cônsul romano e sacrificou sua vida a ter que renunciar à sua fé. Iniciada sua construção no século XI (1078 – 1093) pelo rei normando Roger II, sobre as bases de termas romanas. O aspecto externo é resultado da obra de restauração do arquiteto Vaccarini, quem após o terremoto de 1693 projetou o conjunto da Praça do Duomo, com o Palácio dos elefantes (atual prefeitura), o Duomo de Catania, o palácio do Seminário do clero, e no centro a fonte do elefante, (Liotru). Dentro da igreja encontramos a capela de Santa Ágata, o lugar mais venerado da catedral e onde é normal encontrar fiéis curvados, agarrados ao portão, orando à Santa. Em uma entrada à esquerda encontram-se os tesouros de Santa Ágata, a arca gótica que contém suas relíquias e o conhecido busto de prata de Giovanni di Bartolo. No entanto estas peças somente podem ser visitadas nos dias festivos da padroeira entre os dias 3 e 5 de fevereiro.

A igreja de “San Giuliano”

A igreja de “San Giuliano” foi projetada e construída por Vaccarini em meados de 1760. Encontra-se em frente ao antigo colégio dos Jesuítas e se considera um notável exemplo da arquitetura barroca. È uma das igrejas mais atrativas da cidade, com uma magnífica cúpula fechada em uma galeria poligonal aberta. A decoração interior esta repleta de mármore e tem um formoso altar em bronze dourado.

Igreja de San Nicoló e Mosteiro dos Beneditinos

A gigantesca igreja de San Nicoló (a maior da Sicília) iniciou sua construção em 1687 segundo o projeto de G.B Contini. Encontra-se sobre uma colina dominando toda a cidade. Após o terremoto de 1693 que destruiu a cidade, diversos arquitetos,entre eles Francesco Battaglia e Stefano Ittar- este último realizou a cúpula de 62 metros – reiniciaram a construção até 1796, ainda que a fachada e as colunas não estejam concluídas devido a problemas técnicos segundo algumas fontes e à falta de patrocínio segundo outras. O mosteiro data a 1558, se ergue à esquerda do templo, e é o terceiro em extensão na Europa, atrás do Escorial e do Mafra em Portugal. O turista relata uma sensação de solenidade e riqueza intelectual quando atravessa seus corredores repletos de estudantes da universidade de Letras e Filosofia de Catania. Nada melhor do que entrar na Praça Dante, cuja exuberância das fachadas e varandas barrocas ricamente ornamentadas com mascaras, e rostos horripilantes farão delicias aos olhos curiosos dos turistas. Não em vão, os melhores arquitetos barrocos colocaram seu conhecimento na reconstrução do mosteiro após o terremoto de 1693. A pedra branca dos ornamentos contrasta com a pedra lávica dos muros. No seu interior organizado em torno de dois claustros sobre os quatro planejados originalmente , encontramos suntuosas escadas que levam as dependências superiores do mosteiro, às células de repouso dos monges, e aos corredores. A biblioteca, uma das mais ricas da Itália com a sala Vaccarini, conserva volumes centenários, e jóias dos escritores medievais de diferentes culturas.

Os lugares mais importantes

La Via dei Crociferi

“La Via dei Cruciferi” foi construída depois do terremoto de 1693 e recebeu seufontana_amenano nome da igreja de San Camilo dei Padres Crociferi somente no final do caminho. Incluído antes do terremoto esta antiga rua foi onde as mais poderosas famílias construíram seus edifícios e igrejas e rapidamente e transformou no centro da cidade. Ao longo desta rua se encontra, o Arco de San Benedetto, as delicias de grandes e pequenas abadias, a igreja de San Benedetto, a igreja de San Francesco Borgia, o colégio dos jesuítas, a igreja de San Giuliano e o Convento dos Padres Crutched.

Via Etnea

A avenida mais ilustre de Catania é a Via Etnea, que se perde de vista até encontrar com outras arteriais que nos podem levar até em cima do vulcão Etna. Esta rua tem sido ampliada recentemente utilizando enormes bloqueios de pedra lávica e transformada agora em um grande boulevard, aqui se encontram lojas, restaurantes, o Parque Bellini, o anfiteatro romano, instituições bancárias, sedes diplomáticas e oficinas do governo. Nasceram depois do terremoto de 1693 por vontade do Duque de Uzeda. Começa na Praça do Duomo e se dirige até o Norte sempre em direção ao Etna. Originariamente o alongamento acaba na Praça Stesicoro onde se localiza a entrada da cidade (Porta Aci). Nos séculos posteriores, com a ampliação do tecido urbano se faz necessária sua prolongação até chegar a cobrir os 3 Km. Ainda inicialmente o estilo predominante era o barroco, logo se perde a homogeneidade arquitetônica.

U liotru. Fonte do elefante

A fonte do elefante ergueu-se como eixo central da Praça da Catedral de Catania e é o símbolo da cidade. A obra original foi concebida pelo próprio Vaccarini em 1736, quem integraria diversos elementos até alcançar um conjunto que representaria a essência da cidade. Dizem que o elefante e o obelisco remetam-se a era romana e ao artista se inspirou no padrão do elefante de Minerva de Bernini que se encontra em Roma. O nome de U liotru deriva talvez do bruxo pagão Eliodoro – Liotru, que desafiando o cristianismo teria usado como uma besta para lutar contra o bispo de Catania. Outra lenda conta que esse animal se transformou em símbolo da cidade já que na antiguidade viviam neste lugar e protegiam os cidadãos dos demais animais
Castillo Ursino

Construído por um projeto do arquiteto militar Ricardo de Lentini, originalmente sobre uma colina que se levantava sobre o mar, ao sul do porto de Catania. O castelo começo a ser construído ao final de 1239 e início de 1240 e foi concluído em 1250, sobre as ordens e Federico II para defender a cidade dos assaltos navais. Durante a conquista aragonesa e o mandato dos Virreyes se converteu em residência real, comemorando o primeiro Parlamento Siciliano em suas habitações. Ocasionalmente foi utilizado como prisão no século XVI (ainda se conservam grafites dos presos). Em 1934 é restaurado pela Comune de Catania que o adquiriu, transformando-se em sede de manifestações culturais e exposições arqueológicas da época medieval e moderna. Atualmente é a sede do Museu Comunal. Se conserva 8043 peças ente o repertório arqueológico, com epigrafes, moedas, esculturas, pinturas, colunas, sarcófagos gregos, mosaicos, que são resultados das escavações realizadas em toda província.

Teatro Massimo Bellini

O Teatro Massimo Bellini é outra parte importante do patrimônio belliniarquitetônico de Catania. Construído sobre o projeto do arquiteto milanês Carlo Sada, foi inaugurado em 1890. Sua fase viu passar os melhores cantores de opera do século XX que representavam todas as obras primas da musica clássica. Possuidor de uma grande acústica, o projeto do teatro Massimo Vincenzo Bellino tem influências do estilo Segundo Império imposto por Charles Garnier, arquiteto da Opera de Paris e do Cassino Monte Carlo. Sua inauguração em 1890 encenou o lendário trabalho da obra de Vincenzo Bellini, Norma.

Teatros

A tradição teatral de Catania tem origens muito antigas e forma parte de sua cultura: na cidade existem cerca de 25 teatros ativos, cada uma especializada em um tipo de representação, como “opera dei pupi” (teatro de títeres e marionetes) uma opera lírica, ballet ou tragédias gregas, teatro clássico ou experimental. O teatro mais tradicional é , sem duvida o Teatro Bellini, inaugurado em 1890 com a famosa “Norma” de Bellini. O seguem o Metropolitan, o Verga, o Musco, o Teatro Club, o Piccolo Teatro, o Novo Teatro, o Teatro da cidade, o Piscator, o Teatro degli Specchi, o Teatro Stabile dell´opera dei Pupi e muitos outros.

O Museu Emilio Greco

O Museu Emilio Greco em Catania tem exposta uma coleção das pinturas a óleo e gravuras do artista siciliano Emilio Greco (1913 a 1995). Ele é mais conhecido por suas nudezas abstratas, porém talvez tenha recebido mais elogios por seu trabalho em lugares como Nova York e Tókio do que em seu país natal. A galeria que é um lugar muito impressionante, esta no segundo piso do edifício e é maior do que qualquer um dos de Bellini ou o museu do Verga.

A casa de Giovanni Verga

A casa de Giovanni Verga é um edifício do século XVII, onde o escritor passou muitos anos de sua vida até sua morte em 1922. Hoje esta é a casa do Museu Regional e a casa tem se mantido praticamente como era quando o escritor viveu ali. Muitos elementos da mobília e objetos que se acrescentaram vindos de sua casa de Milão. A biblioteca tem cerca de 3000 livros pertencentes ao escritor, que podem ser utilizados com solicitação prévia, e oferecem a oportunidade única de navegar através de algumas obras literárias de autores como Capuana, D’Annunzio e Deledda, Tolstoy, Gorky, Flaubert e Dumas.

O Museu Cívico Bellini

O Museu está localizado no segundo piso de um apartamento, onde o compositor Vincenzo Bellini nasceu no ano de 1801. Entre suas obras mais famosas de incluem La Straniera, Sonnambula, Norma, O Puritani e o Cavalieri. Os visitantes podem ver fólios originais de suas óperas, suas mascáras da morte, também o caixão em que seu corpo foi transportado de volta para Catania em 1876 desde seu lugar original de enterro, perto de Paris.

O Palazzo Biscari

O Palazzo Biscari construído depois do terremoto de 1693 se diz que é o edifício secular mais impressionante em Catania. Ignazio Biscari pelo qual o Palazzo foi nomeado era um homem apaixonado pela arte, pela literatura e pela arqueologia. Ele promoveu inúmeras escavações na zona e trabalhou por este museu de arqueologia dentro do edifício. Há uma rica coleção de figuras, pergaminhos, querubins e racimos na ala Sul do Palácio, com as principais salas de recepção no primeiro piso. Na parte de trás há um belo salão com pinturas de Sabastiano Lo Mônaco, enriquecido com estuques.

A Festa religiosa mais importante:

Festa de Santa Ágata – 3,4 e 5 de fevereiro

Em fevereiro Catania celebra a Festa de Santa Ágata, protetora da cidade, durante 3 dias: 3,4 e 5 de fevereiro. O primeiro dia está dedicado à oferenda das velas, cada irmandade oferece uma gigantesca vela, que com esforço é levada em procissão: algumas velas gigantes chegam a pesar 1200 quilos! O primeiro dia de festejo é concluído com um espetáculo pirotécnico na Praça do Duomo. No segundo dia os habitantes de Catania vestem grandes túnicas brancas para recordas a histórica noite de 1126, quando os cataneses saíram de suas casas de camisola para receber dois cidadãos de Constantinopla, trazendo as relíquias da Santa. A Festa continua com a procissão do busto de Santa Ágata adornado com o esplendido tesouro que é s.agatamantido na capela homônima. A procissão, que dura todo o dia e atravessa todos os lugares da cidade vinculados ao martírio da Santa, termina bem na entrada da noite, quando a procissão volta a Catedral. No terceiro dia de procissão, os cravos vermelhos do dia anterior, que simbolizam o martírio, são substituídos por outros brancos. O momento mais emocionante se vive quando a procissão passa por Via Di San Giuliano: esta rua, uma perigosa penitencia, é considerada uma prova de coragem para os fiéis da Santa. Quando esta procissão termina e a comitiva entra na Capela, a festa se conclui definitivamente com o ultimo espetáculo pirotécnico, deixando todos esgotados, porém contentes em ter homenageado a sua padroeira.

A cidade ultima modifica: 2015-06-19T19:31:25+00:00 da admin
Share this on

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *